Conecte-se

ENSAIOS

ENSAIOS#JAZZIE

Wade

Fábio Setti | Brasília

“Wade” é uma série que contem vídeo e fotografias, feitos a partir da letra de uma música do artista jamaicano Jazzie, cuja história fala sobre as conexões.

19 de mar. de 232 min de leitura
19 de mar. de 232 min de leitura

“Wade” é um convite para mergulhar no poder da interconexão, entre o universo, os outros seres e o eu. Somos espelhos uns dos outros, dentro do ciclo da vida.

A nossa história e futuro baseiam-se em 3 elementos:
Água, Terra e Ar.

Quando nascemos, saímos da água dentro da barriga de nossas mães e vamos diretamente para a força aérea do mundo externo. Logo depois encontramos a terra e seus outros habitantes.

Cada um de nós carrega sabedoria ancestral, marcas, memórias e sonhos. Mas é quando emergimos no mundo que nos encontramos e nos sentimos.

Estamos constantemente em contato com todos os elementos que nos regem. A vida é cíclica, a água representa o fluxo e fluidez.
O nascimento transborda, inunda os olhos e abençoa o espírito.

Still da série Wade, realizada no cerrado do DF em parceria com o músico Jamaicano Jazzie

Finalmente nascemos

Na terra, encontramos infinitas oportunidades a cada encontro de corpos. Descobrimos carinho, amor e falta, desejo, amizades, vínculos e conexões ilimitadas. É aqui que encontramos certezas e objetivos. É aqui na terra que encontramos forças, traçamos metas para alcançar nossos sonhos. Descobrimos nosso próprio potencial.




Ritmo que te faz dançar, vibrar e conectar. A vida não é apenas sobre relacionamentos românticos ou sexuais, mas todos os relacionamentos. Encontros e amizades. Um chamado pode mudar tudo, uma decisão é capaz de alterar todo caminho da vida.

Depois de encontrarmos a terra, podemos finalmente respirar o ar.

Ele rodeia, assopra e sem ele não há vida.
O ar é o mundo das ideias, a conexão ancestral direta em nossas almas e a vibração de nossos espíritos. No ar que percorremos por nossas escolhas, somos livres e capazes de sentir a brisa leve das bênçãos.



#JAZZIE
BELEZA NEGRA
RACIALIDADES
MÚSICA
FILME